“Como a criança encara a morte? Por Acenildes Uliani / “O mundo de Gigi!

em

Adultos, nem sempre conseguem encarar a morte, principalmente quando ocorre com pessoas próximas e “de repente”.

Aqui ,em casa, tivemos que encará-la desde cedo com pessoas muitos queridas e pude vivenciar bem de pertinho cada reação diante da dor da perda.A 1ª pessoa que eu senti foi o meu pai e olhem que eu já era uma mulher de 28 anos e a ausência foi como é o efeito de anestesia ,sentida aos poucos, nos detalhes e diferentes momentos do meu dia a dia, os quais ,muitas vezes, sequer agradeci pois pareciam tão “bobos”, como por exemplo: Ele sempre me esperava terminar os trabalhos de classe até o final da noite, ás vezes, só observando! Isso era carinho, companheirismo e eu não percebia.

Depois foi embora minha mãe, bem rápido, 3 meses intensos de despedida diária, justamente no ano em que me casei!Senti um vazio gigantesco, mesmo sendo mais velha.

Mas a vida continua, isso é fato! Chegou Gigi em nossas vidas e alegria retornou! Graças a Deus!

Porém aos 2 anos, o querido pediatra dela faleceu, saudoso Dr. Nelson Nakamura! E agora? Como explicar isso para a criança? Me “bateu” um desespero!

Simplesmente fomos ao velório, ela olhou-o tranquilamente, saiu e foi brincar no parque ao lado.

Epa!! Nossas “fichas” começaram a cair! A criança percebe a morte diferente!

Passou um tempo, a querida vovó Lydia também se foi! Vovó Lydia , mãe do papai. Agora Gigi não tinha nenhum avô vivo! Até que por volta de 4/5 anos, do nada, ela brincando, bem quietinha , pertinho de mim ,chega perto e diz:

-Mamãe…eu sinto muito que seu pai e sua mãe morreram!

Perguntei espantada:

-O que foi Gi? Não entendi.

-Eu sinto muito que o seu pai e sua mãe morreram e você não tem mais nem pai e nem mãe!

-Muito obrigada Gigi, você queria ter conhecido eles néh??

-Eu conheci eles mamãe!!-respondeu.

-Conheceu??-perguntei até assustada, porque Giovana nasceu em junho de 2008, meu pai faleceu em 1998 e minha mãe em 2005.

-Sim…quando eu era anjinho e morava no céu, eu via eles lá!

E bem tranquila voltou a brincar, enquanto eu voltava a minha cor normal! (porque devo ter ficado transparente quando ouvi a resposta).

E o tempo continuou passando e a querida Tia Nide(tia avó-irmã da mamãe) também se foi.Gigi foi se habituando à morte, teve mãe de amiguinho que faleceu e ela também quis ir ao velório, olhou tranquilamente e acompanhou enterro de alguns e me disse:

-Mãe, vamos logo no túmulo porque eu quero ver como ela vai subir para o céu com Jesus!

E agora?? Tantas respostas damos e não pensamos o quanto nossas crianças filosofam e levam ao “pé da letra’ nossas as nossas explicações.

Os anos continuaram a passar, afinal a vida segue e Gigi cresceu e recentemente novas perdas, velórios, solidariedade com os entes queridos e Gigi me pergunta:

-Mãe, se a tia Nide não foi enterrada , onde ela foi?

-Foi cremada Gi.-respondi

-Como é ser cremada mãe?

Expliquei. Opto sempre pela verdade em minhas explicações. Terminei minha resposta e percebo os olhos dela “arregaladissimos” e me disse:

-Cinzas??Meu Deus mãe!! Mataram a tia Nide ??

Eu e meu marido tivemos que rir e perceber a simplicidade do raciocínio de uma criança, vê os fatos muito claramente, tira as conclusões e aceita as fases da vida.Somos nós, adultos, que complicamos e prolongamos o luto! Não transfiramos nossa dor, nosso fardo e nossos medos para nossas crianças! Um dia, terão que passar pela morte e precisamos fortalecê-los diante deste fato.

Façamos vivas as lembranças boas dos nossos entes queridos e dessa forma eles viverão para sempre em nossos corações e nossas crianças serão adultos melhores do que nós, aprendendo a respeitar sua história e seus antepassados!

Aproveite e curta cada momento com seus familiares e amigos! Viva a vida intensamente!

modaestilo (3)

5 comentários Adicione o seu

  1. Fabiana Lopes disse:

    Parabéns Acenildes, isso mesmo a morte também faz parte deste caminhar terreno, e deve ser também olhado na perspectiva leve de uma criança. Gigi, espertissima desde muito pequena já aprendeu que a alma é eterna. Lindo este seu compartilhar conosco!! Beijos Fabiana

    1. Acenildes Uliani disse:

      Obrigada Fabi.😘

  2. Anônimo disse:

    Uma familia com tanto Amor enfrenta todas os obstáculos com Amor e jesus no coração 😍 parabéns Ace apesar de triste por um lado uma linda história ..

  3. Anônimo disse:

    Obrigada Patrícia 😘

  4. Wander Uliani disse:

    Parabéns Cê!

Deixe uma resposta